Tecnologia do Blogger.

22/09/2015

RESENHA - O Vilarejo (Raphael Montes)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: MONTES, Raphael. O Vilarejo. 1ª edição. Rio de Janeiro, Suma de Letras, 2015. Ilustrações por Marcelo Damm. 93 páginas.
Gênero: Terror.
Temas: Morte, mistério, canibalismo, sexo.
Categoria: Literatura Nacional.
Ano de lançamento: 2015















“O velho estava certo. O vilarejo vem sendo dizimado dia após dia. O luto sentou-se à mesa. Ninguém chora os mortos. Não podem desperdiçar energia lamentando a partida dos que não suportaram o frio e a fome. Há duas semanas, Irina, a vizinha da direita, gritou durante toda a madrugada a morte de seu bebê. No dia seguinte, estava morta. Foi burra. Felika não é burra e não se permite sentir pena de ninguém.”
*O vilarejo (pág. 12).

               
Um vilarejo, que de tão pequeno, era chamado apenas de Vilarejo pelos habitantes que nele viviam. Assolado pela neve, pela fome e por eventuais guerras, seus moradores tentavam sobreviver com o pouco que tinham. Mas algo aconteceu e o Vilarejo sumiu do mapa. A única prova de sua existência estava confinada e esquecida em um caderno com ilustrações macabras. Forças malignas assombravam a região, mas mal sabiam os moradores que o mal sempre esteve lá, sempre ao alcance de um pensamento.
Raphael Montes, consagrado autor de terror, mostra em O Vilarejo histórias e relatos de pessoas que tiveram que aprender a conviver com a miséria, o frio, a fome e as perdas que assolavam a região. Em contos curtos, o autor explora o passado e presente dos moradores e molda-os à medida que acontecimentos macabros se desenrolam.
Ainda não tinha lido nada do autor, mas já estava mais que ciente de sua fama, que lhe garantiu a alcunha de “príncipe do horror nacional”. Muitos amigos já leram Suicidas e Dias Perfeitos, as duas obras que antecedem esse livro e que levaram o autor a ser tão conhecido no meio literário. Pelo que me dizem, Raphael Montes é um tanto... sádico. Pude ter uma amostra disso nessa obra.
O Vilarejo é um livro que contém sete pequenos contos. Cada conto representa a manifestação de um dos sete pecados capitais e de seus responsáveis: Asmodeus (Luxúria), Belzebu (gula), Mammon (ganância), Belphegor (preguiça), Satan (ira), Leviathan (inveja) e Lúcifer (soberba). Todos os contos se passam no mesmo local, o Vilarejo. Em cada um deles somos apresentados a um personagem diferente e uma manifestação de algum pecado. E através deles, somos totalmente envolvidos pela escrita macabra do autor que não poupa detalhes ao narrar suas cenas horripilantes.
Título de cada conto representado por um dos demônios
As histórias são completamente interligadas. Como em um jogo de quebra-cabeças, o autor vai entregando as peças e nós, leitores, vamos montando as partes e aos poucos descobrindo o que aconteceu com o local e seus habitantes. Uma simples descrição em um dos contos pode ser uma informação importante no próximo. Uma fala de um personagem pode complementar a ação de outro no conto anterior. Então, caro leitor, ao ler essa obra, fique atento aos detalhes e às informações que à primeira vista são meros trechos da história.
Fiquei empolgado com a leitura e pretendo em breve ler as outras obras do autor. Mesmo sendo um pequeno livro de 93 páginas, O Vilarejo tem tudo o que amantes de terror gostam: horror, sangue e mortes. 
Ilustração de Marcelo Damm
A obra é narrada em terceira pessoa. A fluidez da narrativa é bem simples e como os contos são curtos, o leitor pode facilmente terminar o livro em apenas um dia. Os personagens são apresentados gradativamente. Apesar de não terem profundidade, por se tratar de contos, eles são bem trabalhados dentro da trama e do pecado que os regem. O autor trabalhou muito bem na construção de identidade de cada um deles, não deixando pontas soltas em suas narrativas. A relação de linha do tempo é truncada. Alguns contos explicam ações do passado, enquanto outros do presente, para que no final, todas as peças do quebra-cabeça montado pelo autor se encaixem. A revisão está ótima, nenhum erro aparente. As ilustrações de Marcelo Damm são uma obra à parte. Cada conto tem as suas que ilustram algumas passagens da narrativa. A capa também está muito bonita e chama atenção pelos detalhes no traço. No início temos o prefácio, onde o autor explica a construção da obra e ao final o posfácio que confesso, me deu um calafrio nas últimas palavras.
Raphael Montes nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Aos vinte anos, impressionou crítica e público com Suicidas, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2013, entre outros. Seu romance Dias Perfeitos, publicado em 2014, teve os direitos de tradução vendidos para treze países, entre eles Estados Unidos, Alemanha e Taiwan. Ambos os livros tiveram s direitos de adaptação vendidos para o cinema. Atualmente, Raphael assina uma coluna mensal no blog da Companhia das Letras e outra no jornal O Globo. Além disso, escreve roteiros para cinema e TV, como a série Espinosa (GNT) e o seriado de terror Supermax (Rede Globo).

Livro devidamente autografado :)

O Vilarejo é o tipo de obra que você lê em uma tarde (ou noite, se quiser dar asas à imaginação). Recomendo para todos os fãs de terror. Raphael Montes mais uma vez mostra a que veio e entrega a seus leitores histórias tétricas que aliadas às incríveis ilustrações do Marcelo Damm, farão os leitores pensarem duas vezes antes de desligar a luz do quarto. Não recomendo a obra a pessoas religiosas e sensíveis ao tema. O autor explora com voracidade as teorias ligadas aos sete pecados capitais. 
Raphael Montes faz jus a sua alcunha de “príncipe do horror nacional” e o vilarejo é mais uma prova de como as palavras podem mexer com a imaginação do leitor. 


 Bibliografia de RAPHAEL MONTES (ordem cronológica):

 Livros:
  • Suicidas – Editora Saraiva (2012);
  • Dias perfeitos – Companhia das Letras (2014);
  • O Vilarejo – Suma de Letras (2015).
Participações:
  • Assassinos S/A – Editora Multifoco (2009) com o conto “A professora”;
  • Beco do crime – Editora Multifoco (2009) com o conto “O amor por Esther”;
  • Demônios VII: Gula – Editora Estronho (2011) com o conto “Banquete”;
  • Demônios VII: Inveja – Editora Estronho (2011) com o conto “As irmãs Valia, Velma e Vonda”;
  • Demônios VII: Luxúria – Editora Estronho (2011) com o conto “A doce Jekaterina”;
  • Clube da Leitura – Editora Flanêur (2012) com os contos “Café” e “Depoimento nº 220.919.20”;
  • Ellery Queen Mystery Magazine – Editora November (2012) com o conto “Statement nº 060.719-67”;
  • Para Copacabana com amor – Editora Oito e Meio (2013) com o conto “Balas de tamarindo”.



Comentários
5 Comentários

5 comentários:

  1. Parabéns pela resenha, Lu. Adorei .
    Já li um livro do autor e gostei bastante, mas esse eu passo kkkkkk

    Bjin da B

    ResponderExcluir
  2. Estava ansiosa para ler uma resenha de O Vilarejo!!
    Não curto muito ler contos, mas quando se trata de conto de terror muito me chama a atenção, já ouvi falar muito bem sobre o autor e fiquei bem interessada em ler O Vilarejo!!
    Com certeza ficarei morrendo de medo, já que a escrita dele envolve e faz o leitor viajar, dando asas a imaginação!!
    ótima resenha!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Que demais!!
    Já tinha visto esse livro nas redes sociais, mas nem dei muita bola. Agora percebo que tinha de ter dado hahahaha
    Adoro contos de terror, e é claro fiquei super curiosa para ler esses *-*
    Dica anotada!

    Beijinhos ;*
    http://www.guardiadebibliotecas.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá... Luciano...
    Nossaaaaaa e tinha visto a capa desse livro, mas não tinha me ligado o nome do autor... sabe aquele autor que você tem loucura para ler algo dele e ainda não conseguiu? Pois é, estou com Dias Perfeitos aqui pedindo para ser lido e eu apenas retardando... talvez eu venha lê-lo para uma ação em que participo.... vamos ver...Apesar de não gostar de livros de contos, confesso que fiquei extremamente interessada por esse.... achei bem interessante a proposta dos 7 contos serem relativos aos 7 pecados capitais e ainda estarem interligados... curti demais mesmo se eu curtir a escrita do autor assim como você até me arrisco a ler esse de contos, já que eu abri uma exceção para o King, não me custa fazer isso com um nacional... Xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Luciano, tudo bem
    Nossa!!!!! Eu já tinha lido alguma resenha desse livro ates e confesso que não me interessei tanto, mas você me fez mudar de opinião!!! Eu não tinha entendido que os contos são interligados e que falam dos moradores, então, na verdade é uma única história. Até porque, só quando lermos todos eles iremos descobrir o que aconteceu ao vilarejo. Só essa parte de descrições horripilantes, do autor ser um pouco sádico é que me deixou com um pouco de medo, risos... Mas vou tomar coragem e me arriscar. Adorei sua resenha!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário!