Tecnologia do Blogger.

30/08/2017

A Joia da Alma é o mais novo romance da autora Karen Soarele

Olá, queridos leitores da Academia! Como estão? Tenho o prazer de dizer para vocês que a Academia estará presente na Bienal do livro! * felicidade extrema*. Participaremos das atividades a partir do dia 05 e vamos mostrar TUDO que podermos para vocês nas nossas redes (principalmente no nosso Instagram e Facebook). Hoje anunciamos um dos lançamentos mais aguardados pela equipe da Academia de um autor nacional na Bienal. 



Sinopse:

  Nada pode apagar o passado.
Um aventureiro veterano, Christian está prestes a completar uma última jornada, que lhe permitirá se aposentar em paz. Mas tudo dá errado quando o passado volta para assombrá-lo.
               Agora, Christian e seus companheiros, um mago aberrante e uma menina selvagem, terão que cruzar o Reinado de Arton em busca de um poderoso artefato. Mas eles não são os únicos nessa jornada: Verônica e seu grupo se mostram rivais à altura e parecem estar sempre um passo à frente.
             Chegou o momento de revirar o passado e abrir antigas feridas. Afinal, fugir de si mesmo é negar os próprios deuses. Não que Christian ligue para isso.
             A Joia da Alma é o mais novo romance de Tormenta, o maior universo de fantasia do Brasil. Uma história sobre heróis relutantes, erros do passado e busca pela redenção. E sobre uma ameaça que pode destruir todo o mundo de Arton.


Sobre a autora:

Através de suas histórias, Karen Soarele busca transpor as fronteiras da realidade e levar o leitor ao vasto mundo da fantasia, onde tudo é possível. É autora da série de romances Crônicas de Myríade e estreou na Jambô Editora, e no mundo de Arton, com o conto A última noite em Lenórienn, na antologia Crônicas da Tormenta Vol. 2.
Formada em Comunicação, recebeu o Troféu Cecília Meireles por sua contribuição ao cenário cultural do Brasil. Já foi ilustradora e empresária, e hoje é jornalista em Halifax, Canadá. Nas horas vagas, se diverte consumindo tudo o que é relacionado à cultura pop, e entrevista outros escritores no podcast Papo de Autor.

A autora chamou seus leitores em um vídeo publicado no Facebook da editora Jambô.




Quem me conhece sabe o apreço que tenho por essa editora que acolheu o meu cenário de RPG favorito do mundo todo e publica muita coisa legal sobre RPG. Estou mega ansioso para rever a autora (faz mais de 3 anos desde a última vez que conversamos) e conferir a história. Quem for na bienal, fica a dica para conferir o lançamento ;)

Confirme presença no evento clicando aqui!

Nós vemos na bienal ;)

Leia Mais ►

29/08/2017

RESENHA - Fuck Love - Louco Amor (TARRYN FISHER)

Ficha técnica:
Referência bibliográfica: TARRYN, Fisher; tradução de Fábio Alberti. Fuck Love – Louco Amor. 1ª edição. Barueri, SP: Faro Editorial, 2017. 288 páginas.
Gênero: Ficção. Romance.
Temas: Triângulo amoroso.
Categoria: Literatura estrangeira. Literatura norte-americana.
Ano de lançamento: 2015.











“Contrastes são importantes na vida. Compreendemos a luz porque podemos compará-la com o que conhecemos como escuridão. O doce se torna ainda mais doce depois que comemos algo amargo. A mesma coisa acontece com a tristeza. E é importante experimentar a tristeza, e aceitá-la para saber de verdade o que é a felicidade. A minha vida não tinha graça até ele chegar. Sim, talvez agora eu esteja sofrendo, mas não é isso mesmo que esperamos do amor? Que nos permita sentir, enfrentar, que nos faça olhar para nós mesmos com mais atenção?
*Fuck Love – Louco Amor (pág. 249).

Helena Conway tinha uma vida pacata. Envolvida nos números da vida profissional e apaixonada pelo namorado, a jovem certinha levava os dias com a mesma monotonia de sempre. Bastou um sonho para tudo mudar.
O sonho lhe mostrou uma nova Helena. Foi tão intenso que ela se apaixonou por quem nunca nem havia olhado direito: Kit Isley. Do nada, ele parece ser o par perfeito para ela. Estaria tudo bem se ele não fosse o namorado da melhor amiga de Helena. De uma hora para outra, a vida dela vira de cabeça para baixo.
Helena vê a vida se transformar depois de sonhar com um futuro que até então parecia improvável. De repente ela não tem mais os mesmos gostos e não se sente mais a mesma. O principal fator da guinada de Helena é Kit Isley, o namorado da melhor amiga, Della.
                Nesta obra, Tarryn Fisher se consolida como a esmagadora de histórias clichês. Todo o livro gira em torno da jornada que Helena faz para encontrar a si mesma. A autora transforma a protagonista em uma heroína que vive em guerra com seus sentimentos e, assim, desliza entre o papel de mocinha e vilã. Não podia ser mais intrigante.
                Com todo o suspense de qual será o próximo passo de Helena, a trama amarra o leitor de uma forma inesperada. Páginas e páginas podem ser devoradas na ânsia de responder a pergunta: afinal, onde ela quer chegar?
            O impasse da vida amorosa de Helena e de Kit – com Della no meio –, porém, pode enjoar os leitores mais impacientes. São cenas e mais cenas do sofrimento da Helena, e, quando finalmente ela parece ter encontrado uma saída para a situação, logo volta à estaca zero. Apesar de mexer nos paradigmas de relacionamentos perfeitos, Tarryn Fisher prepara um final esperado – e feliz! Bom... É assim ao menos de um dos dois pontos de vista da história.
                “Fuck Love – Louco Amor” é narrado em primeira pessoa, por meio da personagem Helena. A trama é bem fluida e de fácil entendimento. A relação temporal é linear e o passado é revisitado por meio dos pensamentos dos personagens, em poucas passagens. Nesta edição é possível encontrar alguns errinhos de português, como frases que aparentam estar sem a ligação correta.
                Este livro traz ilustrações lindas. Na verdade todo a obra possui o que parece ser o mesmo desenho: um coração entrelaçado em flores. Com uma imagem de uma mão segurando um coração se despedaçando, a capa por si só garante um bom visual à obra.

              Tarryn Fisher é autora best-seller do The New York Times. Ela declara que ama vilões porque acredita que todos nós sofremos de excesso de vaidade e, por isso, gosta de retratar essa característica nos personagens. Atualmente, ela vive em Seattle com o marido e dois filhos. A trilogia Amor & Mentiras foi lançada no Brasil também pelo Faro Editorial. Veja a resenha do livro 1, livro 2 e livro 3. Se você nunca leu um livro da autora, indicamos que comece pela trilogia e não por “Fuck Love – Louco Amor”, pois os primeiros livros discorrem mais sobre relacionamentos complicados e, assim, é possível se aproximar de Tarryn.
                Sem dúvida alguma, “Fuck Love – Louco Amor” é um livro recomendado para leitores que gostam de romances que fogem do esperado. Essa é uma obra para pessoas de corações fortes, mas também merece ser conhecida por aqueles que amam os contos de fadas, porque afinal, o foco desse livro é o amor.

Bibliografia de TARRYN FISHER (ordem cronológica):


Livros:
  • A Oportunista – Faro Editorial (2016).
  • A Perversa – Fato Editorial (2016).
  • O Impostor – Fato Editorial (2016).
  • Nunca Jamais  Galera Record (2016).
  • Fuck Love - Louco amor – Fato Editorial (2017).


Leia Mais ►

23/08/2017

Horóscopo dos livros: Virgem

horóscopo
Fonte da imagem: http://recebiporemail.com.br 

Olá, amigos leitores,

Este mês falaremos das pessoas mais perfeccionistas que existem na face da terra, sabem de quem estou falando? Sim, os virginianos.

As revelações abaixo foram extraídas do site Personare, que contém os dados que tratam do deste signo e da carta de tarot sorteada.

Lembrando que este post tem o intuito apenas de descontrair.

Virgem (23 de agosto - 22 de setembro)

Elemento: Terra (o mundo é visto de forma objetiva, e a atenção está voltada para elementos tangíveis, que os sentidos consigam captar)

Regente: Mercúrio (esse é o planeta da razão. Mercúrio está relacionado a tudo o que envolve o raciocínio e a inteligência humana. É também o astro da comunicação e do comportamento mental. Ele revelará a forma como você se expressa)

Cor: Amarela (é ativadora e dinâmica, age sobre os processos mentais. O amarelo afasta as ideias fixas e pode aumentar a capacidade de raciocínio. É a cor da inteligência, do estudo e da criatividade)

Flores: Narcisos, Crisântemos, Jasmins, Acácias e Margaridas (as pequenas, como narcisos, crisântemos, jasmins e acácias tendem a agradar o signo de Virgem. A margarida é uma escolha adequada para incitar sua imaginação)

Pedras: Ônix, ágata e turquesa

Perfil: No signo de Virgem, podemos encontrar uma simplicidade funcional, que tem por objetivo o aperfeiçoamento do mundo circundante. É também extremamente crítico e perfeccionista. Estas são características de quem possui o signo de Virgem no Mapa Astral, não apenas de virginianos, como popularmente se chama quem nasceu com Sol em Virgem.

Características: perfeccionismo, inteligência e opinativo

Principal frase: “Eu analiso, logo existo”

Lena Valenti.
Personagem feminina: Leslie Connelly do livro “Amos e Masmorras - A Missão”, da Lena Valenti.

Sinopse do livro: Uma linda nerd. Um incorrigível Don Juan. E uma aula de química só para maiores...Quando Hanna Bergstrom escutou de seu irmão que ela precisava ter uma vida social e se libertar um pouco da faculdade, ela jurou que iria cumprir essa tarefa: sair mais, fazer amigos, começar a namorar. E quem melhor para transformá-la na garota dos sonhos de todo homem do que o lindo melhor amigo de seu irmão, o investidor e playboy assumido Will Sumner? Will ganha a vida assumindo riscos, mas a princípio ele não bota fé na transformação daquela garota desajeitada... até que numa noite selvagem, sua inocente pupila o seduz e acaba ensinando uma lição sobre o que é ficar com uma garota ardente e... inesquecível. Agora que Hanna descobriu o poder de seu próprio sex appeal, resta a Will provar que ele é o único homem que ela precisa.

Breve avaliação: A Leslie é uma agente do FBI que segue todas as regras e as normas da polícia. Ela é bem perfeccionista, principalmente com as atividades que envolvem o seu trabalho.

Para ler a resenha deste livro, clique aqui.

Christina Lauren
Personagem masculino: Niall Stella do livro “Surpresa Irresistível”, da autora Christina Lauren.

Sinopse do livro: Um executivo britânico certinho. Uma estagiária americana sensual. E um sexy escândalo internacional no escritório. Ruby Miller fica em choque quando recebe a notícia de que vai representar seu escritório de Londres em uma conferência de um mês em Nova York. Isto porque ela não estará sozinha: terá a companhia de Niall Stella, simplesmente o vice-presidente de sua empresa e — há meses — a paixonite secreta da bela estagiária californiana. Niall nunca havia reparado em Ruby até os dois começarem a flertar no voo para os Estados Unidos. O lindo britânico definitivamente não é um cara que toma a dianteira na conquista, porém os dois terão o mês inteiro em Nova York para se conhecerem sem pressa. Ruby usará de todas as armas de sedução para desarmar as barreiras de Niall e viver fantasias arrebatadoras com seu affair secreto.

Breve avaliação: O Niall é um excelente engenheiro. Ele é aquele cara todo certinho e organizado, um dos seus pontos fortes é a inteligência.

Para ler a resenha deste livro, clique aqui.

Carta de tarot sorteada:
.
.
.
.
Tarot
Fonte da imagem: www.iquilibrio.com
O Rei de Paus surge no Tarot como arcano conselheiro para este momento de sua vida, Academia Literária DF, sugerindo a necessidade de manter o máximo de firmeza de caráter diante de situações e circunstâncias adversas. Você sofrerá testes éticos e morais e o mundo observará sua reação diante de tudo isso. Ainda que você transmita uma impressão de autoritarismo e de radicalismo, mantenha-se firme e obterá o êxito almejado. Neste momento, você só poderá contar com sua própria força e vencerá onde outros fracassaram. No final das contas, você descobrirá o quanto pode ser forte em momentos de desafio e ficará feliz ao se perceber com poder sobre sua própria existência. Cuidado apenas com a tentação de exercer poder sobre os outros, pois este não é um verdadeiro poder.

Marie RutkoskiLivro relacionado à carta: Leitores, depois que li a interpretação desta casa, lembrei-me da Kestrel do livro “A maldição do vencedor” (autora Marie Rutkoski), por conta da sua história na trilogia “o vencedor”. Ela foi uma personagem que teve um papel de liderança muito forte na história, e que em vários momentos teve que tomar algumas decisões radicais.

Para ler a resenha deste livro, clique aqui






Dicas: queridos leitores, para quem quiser curtir uma seleção de músicas ou livros que se relacionam com os leoninos, basta acessar os links abaixo.
  • Livros para os virginianos:  lista da Amazon (para acessar, clique aqui)
  • Músicas para os virginianos: playlist do Superplayer (para acessar, clique aqui)

É isso, até a próxima, queridos leitores!
Astróloga literária (rsrsrs) Gabi Crivellente
Leia Mais ►

22/08/2017

RESENHA – O príncipe corvo (Elizabeth Hoyt)

Elizabeth Hoyt
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: HOYT, Elizabeth. O príncipe corvo – série “príncipes”. 1ª edição. Rio de Janeiro, Record, 2017. 432 páginas. Tradução: Ana Resende
Gênero: Romance histórico
Temas: viúva, conde, bordel
Categoria: Literatura americana
Ano de lançamento: 2006 no exterior e 2017 no Brasil
Série: O príncipe corvo (livro 1) e O príncipe leopardo (livro 2)

“Nenhum jardim está realmente morto quando um jardineiro de verdade sabe como cuidar dele”.
O príncipe corvo – Livro 1. (posição 1.857 - E-book via Amazon)



Queridos leitores, este é o primeiro livro da trilogia “príncipes”, já adianto que a história não tem nada a ver com príncipes e princesas. A história se passa na Inglaterra, no ano de 1760. Nela, vamos conhecer a Anna Wren, uma viúva que morava na aldeia, juntamente com sua sogra, Mãe Wren – que é uma fofa, diga-se de passagem –, próxima da propriedade da Abadia de Ravenhill. Como o seu falecido marido, que era infiel, as deixou com poucos recursos financeiros, a Anna teve a ideia de trabalhar como secretária do Edward de Raff, quinto conde de Swartingham, que recentemente havia retornado para morar na sua propriedade.
 O conde foi o único da sua família que sobreviveu a varíola, quando criança, inclusive, ele ficou com algumas marcas no rosto.  Ele tinha um temperamento muito difícil, e todos os seus secretários se demitiam por não aguentarem as grosserias do patrão, que tinha o hábito de elevar a voz e quebrar objetos – típico cara mal humorado.
Como a Anna precisava muito de um emprego, o Felix Hopple, administrador do Edward, a contratou. Para o conde era estranho ter uma mulher como sua secretária, já que essa era uma função típica de homens, mas como ele precisava que os seus manuscritos fossem transcritos para uma série de palestras da Sociedade Agrária, o Edward não teve outra solução a não ser aceitar aquela viúva impertinente como sua funcionária. Antes dela se candidatar ao cargo, os dois tiveram um breve encontro, constrangedor, no qual ele caiu do cavalo, por causa dela.
Ao trabalhar na biblioteca, ela descobriu um livro, que foi da irmã do conde, chamado de “Príncipe Corvo”, que era um conto sobre um corvo enfeitiçado. Desta forma, ao passar dos dias ela passou a lê-lo. Certa dia, quando ela foi pegar o exemplar na mesa dele, ela descobriu uma cobrança de um lugar chamado “Grotto da Aphrodite”, que depois descobriu ser um bordel de luxo. Neste lugar, os homens iam para se divertir com algumas meretrizes. Porém, o diferencial do estabelecimento era que algumas damas também apareciam por lá para terem um pouco de diversão. Todavia, elas iam mascaradas para que sua reputação não fosse manchada.
Como a Anna estava atraída pelo conde, mas não poderia demonstrar isso, por ser uma dama e viúva, ela decidiu aparecer no bordel para que pudesse ter uma noite de amor com o Edward. Obviamente não contarei para vocês o que acontece aqui.
Leitores, muitas coisas acontecem nesta história. O conde, apesar do seu gênio forte, ele é um cara fofo. Sabe aquele velho ditado: “cão que late não morde”? Pois ele é exatamente assim. Adora gritar, jogar as coisas na parede, mas, no fundo, tem um coração mole.
A Anna é uma personagem adorável, a autora criou a personagem na medida certa. A moça não é uma das minhas personagens favoritas, todavia, ela vai ficar com cantinho especial no meu coração, por toda a sua determinação.
A Elizabeth Hoyt é a autora de romance de época mais querida das americanas e best-seller do New York Times, do USA Today e da Publishers Weekly. Ela é autora de mais de vinte livros e mora em Minneapolis, Minnesota.
O livro possui 22 capítulos mais o epílogo, e foi escrito de forma linear cronológica, em terceira pessoa. Ele é narrado, principalmente, pelo ponto de vista da Anna e do Edward. Contudo, em alguns trechos temos a narração de personagens secundários, que nos dá perspectivas diferentes sobre a história.
O livro termina com um capítulo já do próximo livro, “O príncipe leopardo”, que narrará a história da Lady Georgina Maitland, filha de um conde, e do administrador das suas terras, Harry Pye. O rapaz tem uma breve aparição neste primeiro livro, pelo que percebi, ele parece ser um cara misterioso e guarda muitos segredos. Esse livro tem previsão para ser lançado neste mês de agosto.
Por fim, confesso que pelo título deste livro (Príncipe Corvo), pensei que a história tivesse mais mistério, que envolvesse, de fato, um príncipe e entre outras coisas misteriosas. Mas, infelizmente, não foi isso que aconteceu. Apesar de podermos fazer uma analogia desse conto que aparece no início de cada capítulo com a história do casal principal, para mim, o título deixou a desejar, haja vista que li pensado que pudesse ser uma coisa (nem dei muita bola para sinopse) e foi outra completamente diferente, apesar de ter gostado muito da história.

Bibliografia de Elizabeth Hoyt (ordem cronológica):

Elizabeth Hoyt
Livros:
  • O príncipe corvo – Record (2017)
  • O príncipe leopardo – Record (2017)
  • The Serpent Prince – ainda sem previsão para lançamento
  • The Ice Princess – ainda sem previsão para lançamento
Leia Mais ►

21/08/2017

Clube do Livro - A Diferença Invisível

Olá, leitores da Academia! Teremos mais um clube do livro esse mês! Vamos discutir uma HQ publicada pela Nemo. O debate promete levantar muitas questões interessantes. 



O que é?


Olá, leitores de Brasília. Teremos mais uma edição do Clube do Livro Autêntica e a obra escolhida foi A Diferença Invisível! Para participar do clube, basta legar o livro tema e comparecer a livraria! É leitor, não leu o livro e quer participar mesmo assim? Venha! Só cuidado com os spoilers rsrs. A entrada é gratuita! Com a mediação do blog Academia Literária! Esperamos você!

Quando?

Dia 26 de Agosto (sábado), às 16h00

Onde? 

Livraria Cultura - Casa Park.

Mapa:



Vamos?
Leia Mais ►

19/08/2017

RESENHA – Príncipe partido (Erin Watt)

Erin Watt
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: WATT, Erin. Príncipe partido – série “The Royals”. 1ª edição. São Paulo, Essência (selo da editora Planeta), 2017. Tradução: Regiane Winarski . 352 p.
Gênero: Romance, Young Adult
Temas: desavenças familiares, traição, gravidez
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura americana
Ano de lançamento: 2016 nos Estados Unidos da América e 2017 no Brasil
Série: Princesade papel (Livro 1) e Príncipe partido (Livro 2).






“Ella me perguntou, uma vez, se eu brigava por dinheiro. Não. Eu brigo porque gosto. Gosto da sensação do meu punho na cara de uma pessoa. Nem ligo para a dor que surge quando o outro me acerta um soco. A sensação é real. Mas eu nunca precisei disso. Nunca precisei realmente de nada antes de ela aparecer. Agora, estou tendo dificuldade de respirar sem ela ao meu lado.”
Príncipe partido – Livro 2. (posição 344 – E-book via Amazon)

Queridos leitores, este é o segundo livro da trilogia “The Royals”. Caso você não tenha lido o primeiro livro, “Princesa de papel”, recomendo que não leia esta resenha, pois ela contém spoiler.
Como vocês sabem, o primeiro livro termina com uma cena bem dramática: a Ella entrando no quarto do Reed e o flagrando junto com a Brooke, madrasta dele, que estava nua na cama. Obviamente, a garota surtou e fugiu.
Confesso que achei bem confuso esse desfecho do primeiro livro. Contudo, como nessa sequência a narração é feita também pelo ponto de vista do Reed, é possível perceber o que de fato aconteceu naquela noite.
Depois de localizada, a Ella teve que retornar à mansão Royal. Para ela, foi muito difícil ter de lidar com o Reed, mesmo ele explicando a real situação do que aconteceu naquela noite com a vaca sua madrasta. Por conta dos antigos namorados da sua mãe, ela tinha muita dificuldade em acreditar nele, pois a explicação que ele deu foi muito parecida com as que a sua mãe recebia dos namorados traidores.
O que piorou muito essa relação deles, foi a descoberta de que a Brooke estava grávida. O Reed jurou de pés juntos que era impossível o filho ser dele. Mas, mesmo assim, foi muito difícil para a Ella conviver com a incerteza da paternidade da criança.
Mesmo com toda a raiva e insegurança que ela sentia dele, a Ella não tinha como negar que era apaixonada pelo Reed. Além disso, ela não conseguia se afastar dele, afinal, o rapaz estava fazendo de tudo para reconquistar a amada e provar que ele havia mudado.
Leitores, este é um típico livro que ou você ama os personagens ou os odeia. Confesso que em alguns momentos eu fiquei dividida entre o ódio e amor. Contudo, como percebi um grande amadurecimento dos personagens ao longo da história, não vou negar que o livro conquistou meu coração.
Em vários momentos compreendi, mesmo sem concordar, o que motivava o Reed a ter umas atitudes “toscas” e porque ele deixava a raiva dominá-lo. Admito que fiquei comovida pela história dele e dos irmãos. Para falar a verdade, se eu pudesse, indicaria um bom psicólogo para todos os membros dessa família.
A autora do livro, Erin Watt, é cria de duas autoras campeãs de vendas (pseudônimo das autoras Elle Kennedy e Jen Frederick), unidas pelo amor por grandes livros e pelo vício em escrever. Elas compartilham uma imaginação criativa. Seu maior amor? (Depois das famílias e dos bichos de estimação, claro.) Criar ideias divertidas e, às vezes, malucas. O maior medo? Romper. Você pode fazer contato com elas pela conta de e-mail compartilhada: authorerinwatt@gmail.com.
O livro possui 34 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica em primeira pessoa, pelo ponto de vista da Ella e do Reed. Como a escrita é muito boa, a leitura flui que é uma beleza, tanto é que li em apenas um dia.
A história termina com duas situações bombásticas, que não contarei aqui para vocês. Claro que eu já estou mega ansiosa para ler a continuação. Infelizmente, o desfecho da história ainda não foi lançado aqui no Brasil. Agora é torcer para andar bem rápida essa publicação.

Bibliografia de Erin Watt (ordem cronológica):

Príncipe partido
Elle Kennedy e Jen Frederick
Livros:
  • Princesa de papel – Essência (2017)
  • Príncipe partido – Essência (2017)
  • Twisted Palace – sem previsão para ser lançado

Leia Mais ►

15/08/2017

RESENHA – Ligeiramente Perigosos (Mary Balogh)

Mary BaloghFicha técnica:
Referência bibliográfica: BALOGH, Mary. Ligeiramente Perigosos – série “Os Bedwyns”. 1ª edição. São Paulo, Arqueiro, 2017. 304 páginas. Tradução: Ana Rodrigues.
Gênero: Romance de época, ficção galesa
Temas: traição, ciúmes
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Canadense
Ano de lançamento: 2004 no Canadá e 2016 no Brasil
Série: Ligeiramente casados (Livro 1), Ligeiramente maliciosos (Livro 2), Ligeiramente escandalosos(Livro 3) e Ligeiramente seduzidos (Livro 4), Ligeiramente Pecaminoso (Livro 5) e Ligeiramente Perigosos (Livro 6).




“E é claro que a palavra amor possui várias nuances, assim como tantas outras palavras nesse nosso idioma vivo e pulsante. Mas embora possamos falar de amar as rodas e de amar os filhos, nossa mente, nossa sensibilidade, claramente compreende que não é de forma alguma a mesma emoção.”.
Ligeiramente Perigosos – Livro 6. (pág. 50)

Queridos leitores, este é o último livro da série “Os Bedwyns”. Confesso que era o livro que eu estava mais ansiosa para ler, pois ele conta a história do temido duque de Bewcastle, o Wolfric Bedwyn. Quem leu os livros anteriores, pôde perceber que ele sempre demonstrou ser um cara frio e arrogante. As pessoas tinham medo de ficar próximas a ele, principalmente quando ele levava o seu monóculo ao olho e arqueava as sobrancelhas.
Como todos os irmãos do duque se casaram e, consequentemente, se mudaram da sua casa, o Wolfric passou a se sentir solitário, mas, lógico, sem demonstrar isso para ninguém. Por conta disso, ele aceitou, por impulso, um convite do seu amigo, Hector, para participar de uma festa de noivado em homenagem à irmã mais nova da Audrey. Sendo que as festividades, que durariam 2 semanas, seriam organizadas na casa de campo da Melanie (lady de Renable), a irmã mais velha do amigo.
Neste evento, ele conheceu a petulante Sra. Christine Derrick, viúva do Oscar Derrick. Ela era cunhada do visconde de Elrick, Basil, e prima da lady Renable.
A Sra Derrick era muito amiga da Melanie. Porém, depois que se tornou viúva, ela resolveu voltar a morar no campo, na casa da sua mãe, pois, mesmo quando ainda o marido era vivo, ela nunca conseguiu se encaixar no ambiente aristocrático, por conta sua personalidade. Além disso, a jovem era sempre acusada de seduzir os homens, por conta da sua beleza e da sua forma expansiva de conversar com as pessoas.
Ela era uma mulher de espírito aventureiro. Adorava se divertir com crianças e dar aulas no vilarejo em que morava. Por conta disso, ela era exatamente o oposto do que se esperava de uma dama: recato e elegância. Nos últimos anos do casamento, ela sofreu muito, pois o seu marido passou a sentir muito ciúme, inclusive, chegou a cogitar traição da parte dela.
Com a chegada do Wolfric na casa da Melanie, todos os presentes ficaram estarrecidos, afinal, o Bewcastle raramente participava desses eventos. No primeiro dia, ele observou os outros convidados, que normalmente abaixavam o olhar quando ele encarava. Todavia, a Christine foi a única que sustentou seu olhar, e essa atitude, demonstrar que não tinha medo, despertou um certo interesse nele.
Ao longo dos dias, eles passaram a se conhecer melhor. Ele achava algumas atitudes da viúva um tanto inadequadas. Porém, das mulheres presentes, ela era a única com quem ele conseguia conversar sem cair no tédio.
Para a Sra. Derrick, o duque era muito arrogante e frio, apesar de ele sempre ajudá-la nas situações mais adversas em que ela se metia.
Leitores, admito que da série toda, este livro foi o melhor. O duque me lembrou muito o personagem Sr. Darcy, do livro “Orgulho e Preconceito”, da Jane Austen. As características são bastante parecidas. Gostei muito da Christine, apesar de alguns momentos eu quase implorar para ela fazer determinadas coisas, que obviamente não contarei aqui para vocês.
A Mary Balogh nasceu e foi criada no País de Gales. Ainda jovem, se mudou para o Canadá, onde planejava passar dois anos trabalhando como professora. Porém ela se apaixonou, casou e criou raízes definitivas do outro lado do Atlântico. Sempre sonhou ser escritora e tinha certeza de que, no dia em que escrevesse um livro, ele seria ambientado na Inglaterra do Período da Regência. Quando sua filha mais nova tinha 6 anos, Mary finalmente encontrou tempo para se dedicar ao antigo sonho. Depois de três meses escrevendo na mesa da cozinha, a primeira versão de sua obra de estreia estava pronta. Publicada em 1985, deu a Mary o prêmio da Romantic Times de autora revelação na categoria Período da Regência. Em 1988, depois de vinte anos de magistério, ela passou a se dedicar apenas aos livros.
O livro possui 22 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica. Ele foi escrito em primeira pessoa, com ponto de vista alternado entre o Bewcastle e a Christine, que nos permite ver diferentes pontos de vista dos personagens.
Não conheço nenhum outro livro da autora, sem ser os desta série, publicados aqui no Brasil. Então, só me resta torcer para que alguma editora os publique, pois a escrita dela é muito boa.
Bibliografia da Mary Balogh (ordem cronológica):
Ligeiramente Perigosos
Livros:
  • Ligeiramente casados – Arqueiro (2014)
  • Ligeiramente maliciosos – Arqueiro (2015)
  • Ligeiramente escandalosos - Arqueiro (2015)
  • Ligeiramente seduzidos – Arqueiro (2016)
  • Ligeiramente pecaminosos – Arqueiro (2016)
  • Ligeiramente perigosos – Arqueiro (2017)

Leia Mais ►

12/08/2017

RESENHA – O crime do vencedor (Marie Rutkoski)


Ficha técnica:
Referência bibliográfica: RUTKOSKI, Marie. O crime do vencedor – série “O vencedor”. 1ª edição. São Paulo, Plataforma 21 (selo da editora V&R Editoras), 2016. Tradução Guilherme Miranda. 360 páginas.
Gênero: Romance, fantasia, ficção juvenil
Temas: guerra, escravos, colinização
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura Americana
Ano de lançamento: 2015 no exterior 2016 no Brasil
Série: AMaldição do Vencedor (Livro 1), O crime do vencedor (livro 2) e O beijo do vencedor (Livro 3)

“Não me importo de ser uma mariposa. Não duvido que eu começasse a comer seda se isso me permitisse voar.”
O crime do vencedor – Livro 2. (posição 2.476  - E-book via Amazon)

Queridos leitores, este é o segundo livro da trilogia “O vencedor”. Caso você não tenha lido o primeiro livro, “A maldição do vencedor”, recomendo que não leia esta resenha, pois ela contém spoiler.
Como vocês sabem, o primeiro livro termina com a Kestrel se tornando a embaixadora imperial junto ao novo território independente de Herran, e o Arin o novo governador deste território.
Infelizmente, para que a Kestrel conseguisse que Herran não fosse destruída e para que pudesse proteger o Arin, ela se comprometeu em se casar com o príncipe Verex, herdeiro do império de Valória. Obviamente, o Arin não gostou nada dessa história. Principalmente, por achar que essa decisão dela foi apenas por puro egoísmo, por querer ser a futura imperatriz. 
Ela precisou ocultar a verdade dele, pois se o Arin soubesse ele teria sido contra a sua decisão e causado mais ruína não só para eles, mas também para os seus povos. Admito que torci várias vezes para a Kestrel contar a verdade para o coitado do Arin.
           Leitores, muitas coisas acontecem neste livro. Aliás, a leitura dele é indicada para aquelas pessoas que gostam de jogos de estratégias com um delicioso romance ao fundo.
             Além disso, nossa mocinha, que é uma das personagens mais corajosas e inteligentes que eu já conheci, se tornou espiã do Tensen, Ministro da Agricultura de Herran – que ficou na corte de Valória para poder colher informações importantes sobre alguns atos do imperador que poderia prejudicar os herranis. A condição da Kestrel para ajudar aos herranis era que o Arin não soubesse que quem passava as informações era ela. Confesso que em alguns momentos tive vontade de dar uns tapas no Tensen, em outros na Kestrel por ela querer proteger o Arin e não revelar o seu amor pelo rapaz. Quanto ao Arin eu tive muita pena dele, haja vista que ele ficava entre seguir o seu coração e ajudar o seu povo.  
A Kestrel assumiu uma posição muito perigosa, tendo em vista que não sabia até onde poderia estender a sua ajuda. Apesar do imperador admirá-la, ele não toleraria espiões em sua corte, muito menos da filha do general. Então, sua posição também era muito instável.
Além disso, neste livro, vamos conhecer mais sobre o povo oriental de Dacra. Acredito que eles terão uma enorme participação no desfecho desta história.
A autora do livro, Marie Rutkoski, cresceu em Bolingbrook, Illinois (um subúrbio de Chicago), sendo a mais velha de quatro filhos. Possui bacharelado pela University of Iowa e doutorado pela Harvard University. Atualmente vive em Nova York, é professora no Brooklyn College e mora com o marido e dois filhos.
O livro possui 48 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica e em terceira pessoa, pelo ponto de vista da Kestrel e do Arin. O que é bom, pois conseguimos perceber as motivações dos dois ao longo do texto. Além disso, no início do livro é disponibilizado um mapa dos reinos, para podermos nos ambientar com as divisões geográficas entre Valória, Herran e Dacra.
Mapa dos reinos
Por fim, ressalto que o livro foi tão bom, inclusive a forma instigante como a autora terminou, que eu não me aguentei e emendei na leitura do último livro da série, “O beijo do vencedor”. Sendo assim, em breve postarei a resenha dele.

Bibliografia de Marie Rutkoski (ordem cronológica):

Livros:
  • A maldição do vencedor – Plataforma 21 (2016)
  • O crime do vencedor – Plataforma 21 (2016)
  • O beijo do vencedor – Plataforma 21 (2017)
  • Bridge of Snow – sem previsão para ser lançado no Brasil
  • The Shadow Society – sem previsão para ser lançado no Brasil
  • The Cabinet of Wonders – sem previsão para ser lançado no Brasil
  • The Celestial Globe – sem previsão para ser lançado no Brasil
  • The Jewel of the Kalderash – sem previsão para ser lançado no Brasil
Leia Mais ►

11/08/2017

Encontro de fãs: 20 anos de Harry Potter

Olá, queridos leitores da Academia! Como estão? Hoje temos a hora e alegria de informar a nossos leitores de Brasília que fomos convidados pela Editora Rocco e a Saraiva Online para mediar um evento muito, mas muito especial para os fãs de Harry Potter! Vamos conferir? 


Este evento contará com a mediação do Academia Literária DF, parceria da Editora Rocco e da Saraiva Online. Não perca!

O que é?

Venha comemorar com a gente os 20 anos da saga bruxa mais amada de todos os tempos, com o lançamento das novas edições em capa dura da série Harry Potter. Um evento com muita diversão e um único intuito: reunir um dos melhores fandons do mundo, os Potterheads. O destino já é certo. Então separe uma boa quantidade de pó de flu e venha para a Saraiva do Shopping Pátio Brasil, no dia 19/agosto, às 18h. Nosso encontro está marcado. Esperamos você lá!

Quando?

Dia 19 de Agosto (sábado), a partir das 18h00

Onde? 

Pátio Brasil: Pátio Eventos.

Link do evento: aqui.


Mapa:





Vamos?

Top Comentarista nº4: Clique para participar
Leia Mais ►

08/08/2017

RESENHA – The Heart of Betrayal (Mary E. Pearson)

Mary E. Pearson
Ficha técnica:
Referência bibliográfica: PEARSON, Mary E. The Heart of Betrayal – série crônicas de amor e ódio. 1ª edição. Rio de Janeiro, DarkSide Books, 2016. Tradução Ana Death Duarte. 400 p.
Gênero: Romance, fantasia, Young Adults (YA)
Temas: aventura, mistério, guerra, romance
Categoria: Literatura Estrangeira; Literatura norte-americana
Ano de lançamento: 2015 nos Estados Unidos na América e 2016 no Brasil
Série: The Kiss of Deception (Livro 1), The Heart of Betrayal (Livro 2) e The Beauty of Darkness (Livro 3)

“As regras da razão constroem torres que vão além das copas das árvores. As regras da confiança constroem torres que alcançam além das estrelas.”
The Heart of Betrayal – Livro 2. (pág. 291)

Queridos leitores, este livro é o segundo do livro da trilogia “Crônicas de amor e ódio”, da autora Mary E. Pearson. Caso você não tenha lido o primeiro livro, recomendo que não leia esta resenha, pois ela contém spoiler.
Como vocês bem sabem, o livro “The Kiss of Deception”, volume 1, termina com a chegada da princesa Arabella Celestine Idris Jezelia (Lia) ao Reino de Venda e com a descoberta de quem é o príncipe (Rafe) e quem é o assassino (Kaden).  Admito que torci muito pelo príncipe, mas fiquei com o coração partido pelo Kaden.
O Komizar (cargo ocupado pelo líder de Venda) ficou desconfiado do motivo pelo qual o seu melhor assassino não havia cumprido sua ordem, que era matar a princesa. Sendo que a justificativa que o Kaden deu a ele era que a Lia tinha o dom – no caso dela era poder interpretar fatos do passado que nenhum livro mostrava –, e que eles poderiam usar isso para alimentar a esperança do povo vendano, que acreditavam em uma superstição contada em um livro chamado “Canções de Venda”, em que uma mulher chamada Jezelia domaria um dragão. O problema foi que ela de fato desenvolveu o dom, então, em vários momentos nem um deles sabiam quando ela dizia que estava sentido o dom ou não, afinal, para sobreviver ela usou de vários recursos.
Já o príncipe, que também se apaixonou pela Lia, foi junto com seus soldados para resgatá-la. Todavia, eles não faziam a mínima ideia de como tirá-la da cidade. Haja vista que eles eram apenas 5 pessoas contra um exército. Então, o Rafe se apresentou como um emissário do príncipe de Dalbreck que queria fazer uma aliança com o Komizar, para poderem unir forças. Com isso, ele conseguiu permanecer próximo da Lia, mas como um prisioneiro, até que o líder conseguisse confirmar a história contada pelo Rafe.
Incialmente, a população, que era tida como bárbara, não gostou muito de ter uma princesa de Morrighan e o emissário de um príncipe por lá, afinal eles abominavam tudo que se referia à reis e rainhas. Contudo, ao longo dos dias, a Lia passou a conquistar a população, e, por conta disso, um grande rebuliço acontece na história.
Obviamente, não vou contar mais coisas por aqui, apenas vou dizer que mais uma vez foi uma delícia ler essa história da Mary E. Pearson. A Lia é personagem muito forte e determinada, que luta pelo o que é correto. Não tem como você não admirá-la. Quanto ao assassino e o príncipe, você também percebe que os dois lutam sempre para manter a segurança dela. Afinal, ambos se apaixonaram pela garota.
A autora do livro é uma premiada escritora do sul da Califórnia, conhecida por seus outros sete livros juvenis — entre eles a série popular The Jenna Fox Chronicles. Mary é formada em artes pela Long Beach State University, e possui mestrado pela San Diego State University. Aventurou-se em trabalhar como artista por um tempo, até receber o maior desafio que a vida poderia lhe proporcionar: ser mãe. Adora longas caminhadas, cozinhar e viajar para novos destinos sempre que tem a oportunidade. Atualmente, é autora em tempo integral e mora em San Diego, junto com seu marido e seus dois cachorros. Para saber mais sobre a autora, clique aqui.  
O livro possui 64 capítulos, e é narrado de forma linear cronológica em primeira pessoa com capítulos intercalados, principalmente, entre o ponto de vista da Lia, do Rafe e do Kaden. Em alguns capítulos também temos a Pauline narrando, amiga da Lia que volta para Morrighan para pedir ajuda aos pais dela. O único ponto negativo do livro é que no início você demora um pouco para engrenar na história, pois, no meu caso, eu havia lido esse livro no ano passado. Então, já havia me esquecido de alguns personagens secundários, e, por conta disso, eu levei um tempinho para me habituar na história novamente.
Dentro do livro foi disponibilizado um mapa dos reinos, para que os leitores possam se situar sobre a localização deles. A boa notícia é que o desfecho de livro, The Beauty of Darkness (A beleza da escuridão, tradução livre), já foi lançada aqui no Brasil. Então, em breve, posto a resenha dele aqui.
The Heart of Betrayal

Bibliografia de Mary E. Pearson (ordem cronológica):

Livros:
  • The Kiss of Deception - DarkSide Books (2016)
  • The Heart of Betrayal – DarkSide Books (2016)
  • The Beauty of Darkness – DarkSide Books (2017)

Top Comentarista nº3: Clique para participar
Leia Mais ►

07/08/2017

"A Canção do Cão Negro" é a mais nova aposta da AVEC Editora

Olá, queridos leitores da Academia! Como estão? Hoje trago para vocês algo um tanto atípico do que estamos acostumados a divulgar, mas que certamente pode despertar a atenção e a curiosidade de alguns de vocês. A nossa parceira AVEC Editora está apostando alto nos novos talentos e ao meu ver conduz um trabalho muito legal ao investir em pessoas que estão dando seus primeiros passos na criação de histórias. E hoje vamos falar da HQ "A canção do cão negro"



Sinopse:

Um ano após derrotar o viking Ild Vuur e um monstro de eras imemoriais, Anrath, o Cão Negro, agora comanda seu próprio navio. Ao lado de Aella, a guerreira, e Rorik, o gigante saxão, ele embarca em uma missão perigosa na Islândia, que irá resultar em um novo confronto com saqueadores vikings.
Porém, esta batalha acabará colocando Anrath nas garras de uma criatura mitológica sedutora e mortal. Essa é a premissa de “Contos do Cão Negro - Volume 2: A Canção do Cão Negro”, novo lançamento da Avec Editora que marca o retorno do personagem criado pelo escritor Cesár Álcazar as graphic novels.
“Anrath nasceu em 2009, já são quase oito anos de história. É uma grande alegria ver o personagem caindo cada vez mais no conhecimento do público. As edições em prosa com histórias do Cão Negro tiveram um alcance relativamente limitado, agora, com os quadrinhos, ele pode atingir um público maior” - Cesár Álcazar



O que acharam, leitores? Eu ainda não li, mas pelo que andei pesquisando, o público e a critica tem curtido a história. O personagem de Cesár foi adaptado pela primeira vez para os quadrinhos em “O Coração do Cão Negro” (AVEC, 2016) e foi o quadrinhista Fred Rubim (Le Chevalier Arquivos Secretos, AVEC 2016) quem deu imagem a Anrath pela primeira vez. Lembrando que este é o segundo volume. O primeiro volume "O coração do Cão Negro" vocês podem conferir aqui.

Reprodução/Facebook


Sobre o autor:

Cesar Alcázar nasceu em Porto Alegre, no ano de 1980. Admirador de Hemingway, Borgese Robert E. Howard, encontrou na literatura uma forma de exteriorizar seus devaneios aventurescos e sombrios.
É o autor dos livros “Bazar Pulp – Histórias de Fantasia, Aventura e Horror” e “A Fúria do Cão Negro”, além de ter organizado a antologia “Crônicas de Espada e Magia”. Teve contos publicados em inglês pelas revistas Heroic Fantasy Quarterly e Swords and Sorcery Magazine. Também atua como editor (Argonautas Editora) e tradutor.


Galeria:











Ficha básica:


ISBN: 978-85-67901-96-1
PREÇO: R$ 39,90
FORMATO: 21x28 cm 64 páginas coloridas
Papel: Couché Fosco 150g
Capa: Supremo cartão 300g Prolan brilho
CATEGORIA: Quadrinhos/ Fantasia/ Idade média
Autor: Cesár Alcázar
Ilustrador: Fred Rubim
Editor: Artur Vecchi
Diagramação: Vitor Coelho



E então, leitores? Como disse no começo do post, não temos o costume de abordar HQ's aqui no blog (por uma questão de tempo mesmo, já que não temos alguém que se dedique a isso), mas acredito que seja um meio de leitura como qualquer outro e merece sim espaço em nossos corações de leitores. Caso queiram saber mais sobre a obra, basta acessar o Site Oficial da AVEC e quem quiser comprar, basta clicar aqui ou aqui

Até a próxima ;)

Top Comentarista nº2: Clique para participar
Leia Mais ►